#Devocional: Mateus 7:1-5

GRAÇAS-A-DEUS-FOTO-01

“Eu era cego e agora vejo”, essa é a conclusão de todo cristão. Enquanto mortos em nossos delitos permanecíamos cegos para a realidade de Cristo e de nós mesmos. Curados de nossa cegueira, passamos a ver a nossa miséria e essa visão nos impele a correr desesperadamente para Cristo, nosso Salvador.

Mas, agora, curados, entramos num longo processo de tratamento, pois a nossa cegueira era tão grave que ela exige luz constante sobre os nossos olhos para que não deixemos de enxergar. Cristo nos dá essa luz: a Sua Palavra. Ela é o remédio diário para os nossos olhos fragilizados pelo pecado. Ela impede que retornarmos à cegueira de outrora e, por isso, deve ser aplicada diariamente.

Quando negligenciamos esse santo remédio, gradativamente passamos a enxergar mal. Leva tempo até nos darmos conta de que a nossa visão está se tornando obscurecida novamente.

Aquelas misérias que antes enxergávamos e nos impeliam a correr para Cristo se tornam cada vez menos perceptíveis, ao passo que as misérias do outro se tornam cada vez mais visíveis.

É um fenômeno estranho. Essa deformação na córnea espiritual diminuiu a nossa visão para  perto e aumenta a nossa visão para longe. Somos capazes de enxergar o argueiro no olho de um irmão à quilômetros de distância e incapazes de ver a trave bem diante dos nossos olhos!

O pior de tudo é que essa deformação na córnea espiritual é tão sutil que pode ser facilmente confundida com SANTIDADE. Sim, é possível pensarmos que estamos nos tornando mais santos por enxergarmos cada vez menos pecados em nós e mais pecados nos outros.

Ah, mas o Médico dos médicos – o Oftalmo dos oftalmos -, aquele que dá vista aos cegos tem outro diagnóstico para essa deformação, Ele a chama de HIPOCRISIA. Sim, Ele nos ensina que um dos graves efeitos da negligência à leitura bíblica e meditação nas Escrituras é que deixamos de enxergar os nossos pecados e falhas e, em contrapartida, passamos a enxergar cada vez mais os pecados e as falhas dos​ outros​.

Ele é duro em Seu diagnóstico: “Hipócrita, tira primeiro​ a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho do teu irmão” (Mt 7:5)

Mas, como tirar a trave desse olho que já não consegue ver corretamente?! A solução é nos voltarmos para a lâmpada dos nossos pés, a luz do nosso caminho: a Palavra de Deus. Somente ela é capaz de trazer luz a olhos obscurecidos e fazer com que enxerguemos corretamente, a começar em nós.

Cristo nos curou de nossa cegueira, contudo, precisamos de remédio diário para nos mantermos sãos. Como o curado que deseja manter-se cada vez mais distante da doença, apliquemos a Palavra diariamente aos nossos olhos para que enxerguemos cada vez melhor.

Soli Deo Gloria.

No Amor de Cristo,

Prisca Lessa

Advertisements

Com quem você se casará é importante!

weddingcake22-a1f800a57510eebc569cb303fab56467Nesse dia tão cheio de amor como é o dia 12 de Junho, quero compartilhar com vocês esse texto precioso que muito me edifica. Não deixe que as pressões externas e internas te empurrem para um casamento mal sucedido; com quem você se casará é importante, pois o casamento impactará sua vida para sempre. Reflita, ore, seja paciente e persevere em Cristo Jesus.

Por: Rebecca VanDoodewaard

Meu marido e eu estivemos certa vez com um grupo de jovens. Três destes jovens sentaram-se em frente a nós durante uma refeição: dois rapazes e uma moça. Um dos rapazes era um “nerd” de computador, usando óculos. O outro era um estudante universitário com o cabelo um pouco mais legal, e sem óculos. A moça estava, obviamente, com este último. Enquanto o nerd de computador estava ocupado servindo a todos durante a refeição, limpando os pratos e o lixo, o estudante universitário ficou irritado com a garota por um pequeno acidente e derramou suco vermelho sobre sua jaqueta de couro e sua camisa branca. Ela escolheu o cara errado, e o suco não pareceu mudar sua opinião. Se essa relação continuar e especialmente, se levar ao casamento, significa que ela está buscando por angústia.

Todas as jovens e moças cristãs ainda solteiras por aí, ouçam: com quem vocês se casam é importante. Você pode pensar que a maneira como ele te trata não é tão ruim assim, não vai ficar melhor depois do casamento. Você pode pensar que ele vai mudar, é possível, mas a maioria não muda. Você pode pensar que será capaz de ministrar a ele e ajudá-lo, possivelmente, mas, se você não é capaz de fazer isso agora, você não será capaz depois, e estará se arriscando. Um marido deve liderar e cuidar de você, e não depender do seu conselho sobre problemas básicos de personalidade ou de comportamento.

A menos que alguém casado seja bastante franco com você, você não conseguirá entender o quanto um marido irá impactar sua vida por inteiro. Depois da salvação, não há nenhum outro evento de longo prazo que mudará tão profundamente tantas áreas de sua vida. Aqui estão apenas algumas das formas como o casamento irá impactar cada aspecto da vida.

1. Ele vai impactar você espiritualmente.

Se o rapaz não é crente, você pode parar exatamente aí. Você não tem direito algum de unir em mesmo jugo uma alma redimida com alguém não regenerado, mesmo se ele parecer aberto a mudanças. Cristo te comprou por um preço, e não é uma opção entregar este coração comprado por sangue a alguém que não conhece e ama o seu Senhor. Isto irá prejudicar o seu desenvolvimento espiritual, abrir espaço para inúmeras tentações, sufocar a sua vida de oração, fazer com que a frequência regular na igreja se torne difícil, e causar enormes conflitos familiares, se você tiver filhos.

Se o rapaz é crente, ele é firme? Ele irá te liderar em oração, leitura da Bíblia, devoções familiares e adoração pública? Ou você vai viver por conta própria? Ele fará do crescimento espiritual uma prioridade ou fará outras coisas virem em primeiro lugar? Ele irá te perguntar como vai a sua alma para que ele possa ajudá-la a crescer em santidade e amor a Cristo, ou deixará isso com seu pastor? Ele vai liderar seus filhos nisto, ou você vai ter que tomar a dianteira? Na igreja, ele vai ajudar as crianças a sentar-se adequadamente, orar, encontrar os hinos, ou você vai ser a única a apontar-lhed o que acontecerá em seguida e ajudar a família a prestar atenção? Muitas mulheres se casaram com homens imaturos espiritualmente, pensando que isto não seria um grande problema, ou que o homem mudaria, elas estavam erradas e carregam as cicatrizes.

A saúde de sua eternidade está em jogo. Pense cuidadosamente.

2. Ele vai impactar você emocionalmente.

O rapaz em quem você está pensando irá encorajar você, amá-la, ser gentil, e tentar compreendê-la, ou vai querer sair com os amigos quando você estiver tendo uma noite difícil? Ele vai te ouvir quando você estiver lutando com algo ou estará preocupado com o videogame? Ele ficará irritado quando você chora ou vai pegar lenços para enxugar as suas lágrimas e te dar um abraço? Ele vai buscar entender que você é, provavelmente, mais delicada do que ele, mais sensível aos problemas e comentários, ou ele vai, regularmente, sair pisando em seus sentimentos?

Uma mulher estava lutando para amamentar o seu bebê, acreditando ser a melhor coisa para ela, mas era muito difícil. Em vez de dar apoio e encorajamento, o marido começava a resmungar todas as vezes que via sua esposa se esforçando para amamentar.

Nós precisamos nos livrar do complexo de princesa, mas realmente temos necessidades emocionais. Qualquer rapaz que seja indiferente com respeito a seus sentimentos e autoestima é egoísta e deve ser deixado sozinho.

Tenha cuidado – um marido pode mutilar ou nutrir a sua saúde emocional.

3. Ele vai impactar você fisicamente.

O rapaz com quem você está irá te prover as necessidades básicas? Ele será capaz de te abrigar, vestir e alimentar? Em um certo momento do nosso casamento, eu fiquei preocupada que não houvesse oportunidade de emprego. Meu marido me assegurou que iria trabalhar no McDonalds, cavar valas, limpar vestígios de atropelamento das pistas – o que fosse preciso para sustentar a família, independentemente de seus dons e formação. Esse é o tipo de atitude que você deseja. Um homem que não provê para seu lar é pior que um infiel (I Tm. 5:8). Você pode ter que ajudar a aliviar a sobrecarga financeira, mas, a menos que seu marido esteja inválido ou em alguma outra circunstância incomum, você não deve ter que carregá-la sozinha.

O homem com quem você está se preocupará com seu corpo ou abusará dele? Se ele te dá pequenos tapas, chutes, etc, quando vocês estão namorando, saia dessa. É quase garantido que ele vai abusar de você depois do casamento, e as estatísticas mostram que isto é especialmente verdadeiro quando você estiver grávida. Ele vai cuidar e proteger o seu corpo ou vai feri-lo? Há mulheres em igrejas por toda a América que pensaram que não era grande coisa receber pequenos socos ou tapas (do tipo amigável) de seus namorados, mas que, posteriormente, passaram a encobrir as agressões de seus maridos.

O homem com quem você está irá cuidar de você sexualmente? Ele vai honrar o leito conjugal em fidelidade física e mental ou ele vai flertar com outras, alimentar o vício em pornografia, ou mesmo deixá-la por outra mulher? Você nem sempre pode prever estas questões, mas se as sementes ou práticas já estão presentes, cuidado. Recentemente, vi um casal recém-casado e o marido estava flertando abertamente com outra mulher. A não ser que algo drástico aconteça, aquele casamento está caminhando para o desastre.

Ele vai ser carinhoso e gentil com você na cama? Uma colega de trabalho que não é crente disse uma vez a minha irmã que, após sua primeira relação sexual, ela teve dificuldades para andar por alguns dias porque seu namorado havia sido muito rude. Em outras palavras, ele não era altruísta o suficiente para cuidar do corpo da mulher que ele disse que amava.

Cuidado. Seu corpo necessita de cuidados e proteção.

4. Ele vai impactar você mentalmente.

O homem em quem você está pensando será uma fonte de preocupação ou ele vai ajudá-la a lidar com suas preocupações? Ele vai incentivar o seu desenvolvimento intelectual, ou vai negligenciá-lo? Ele vai valorizar suas opiniões e ouvir o que você está pensando, ou vai ignorar os seus pensamentos? Ele vai te ajudar a controlar o estresse de modo que sua mente não fique tão sobrecarregada, ou vai deixar você lutar com os problemas sozinha? Ele vai cuidar de você e ser atencioso se você estiver enfrentando tensão mental, ou ele vai ignorá-la? Eu conheço uma mulher que pôde lidar com a gravidez e com o parto muito bem fisicamente, mas a depressão pós-parto exerceu um impacto enorme em sua mente. O marido ignorou isso, continuando a ter mais filhos, até que sua esposa acabou numa instituição para portadores de deficiência mental.

Você pode pensar que o lado intelectual ou mental de um casamento é de pouca importância. Ele é mais importante do que você pensa. Considere-o seriamente.

5. Ele vai impactar os seus relacionamentos.

Como é seu relacionamento com sua mãe? Seu pai? Você os ama? Seu namorado os ama? Imagine daqui a dez anos: você diz ao seu marido que sua mãe está vindo passar o fim de semana. Ele está animado? Desapontado? Zangado? Fazendo piadas maldosas com seus amigos? Claro, o marido deve vir em primeiro lugar na sua prioridade de relacionamentos, assim como vocês dois devem deixar pai e mãe e se unirem, mas os pais ainda são uma grande parte do quadro. Quaisquer que sejam os sentimentos negativos dele sobre seus pais agora, provavelmente serão ampliados após o casamento. Seu casamento irá fortalecer ou prejudicar – até mesmo destruir – a sua relação com seus pais. As pessoas que te conhecem melhor e te amam mais agora, podem ser cortadas do seu convívio por um marido que os odeia.

O mesmo acontece com irmãs e amigas. Elas serão bem-vindas, em horários razoáveis, em sua casa? O rapaz com quem você está irá encorajar seus relacionamentos saudáveis com outras mulheres, ou vai ficar com ciúmes de amizades normais e bíblicas? Ele vai ajudar você a aconselhar mulheres mais jovens e ser grato quando às mulheres mais velhas aconselharem você, ou ele vai depreciar essa prática?

Não sacrifique muitos bons relacionamentos por causa de um rapaz que não consegue valorizar as pessoas que amam você.

Como seu namorado vai agir após os votos matrimoniais? Esta é apenas uma amostra das formas que um marido pode abençoar ou amaldiçoar sua esposa. Os efeitos são de longo alcance, de longa duração, e podem ser maravilhosos ou difíceis. É verdade, não há homens perfeitos. Mas há grandes homens. E é melhor estar solteira ao longo da vida do que casar com alguém que irá tornar sua vida um fardo. A solteirice pode ser ótima. O casamento com a pessoa errada é um pesadelo.

Eu já presenciei um pastor que precisou chamar a polícia para proteger a esposa de um marido que estava, no estacionamento da igreja, tentando impedi-la de cultuar e estar com sua família. Isto é feio.

Não esteja tão desesperada para se casar a ponto de deixar que seu casamento seja uma tristeza. Se você estiver em um casamento infeliz, existem maneiras de obter ajuda. Mas se você não é casada, não se coloque nesta situação. Não se case com alguém cuja liderança você não pode seguir. Não se case com alguém que não está buscando amá-la como Cristo amou a igreja. Case-se com alguém que conhece e demonstra o Amor de Cristo.

Tradução: Arielle Pedrosa

Fonte: http://www.mulherespiedosas.com.br/com-quem-voce-se-casara/

 

#KeepCalmamanhaedia13 😀

No Amor de Cristo,

Prisca Lessa

 

Leia a Bíblia corretamente.

carta (1)

Quando você lê uma carta endereçada a alguém que não é você, há duas formas de lê-la: uma é ler sem conhecer a história do remetente e do destinatário; certamente isso te fará ler e entender a carta de um jeito. Mas se você souber quem é o remetente, o destinatário, quando e porquê foi escrita e o contexto, a sua leitura mudará completamente – você evitará até mesmo alguns equívocos – e seu entendimento será muito mais rico e completo.

Não é diferente com a Bíblia, para compreendermos corretamente precisamos saber quem é o autor do livro, o contexto em que foi escrito, porquê e para quem foi escrito pois, embora a Palavra de Deus seja para todo o povo de Deus em todas as épocas, ela possui um destinatário primário –  que não deve ser ignorado – , um contexto e uma razão pela qual foi escrita. Essas informações certamente enriquecerão (e muito!) a sua leitura. 😉 ❤

 

#Devocional

18986500_10213410682804206_386217997_o

Ontem foi domingo e em todo o mundo dezenas, centenas, milhares e milhões de pessoas se reuniram em suas igrejas para ouvirem a exposição da Santa Palavra de Deus.

Em uma de suas parábolas, Jesus comparou cada uma dessas pessoas a um tipo de solo e comparou a Palavra pregada à semente lançada pelo semeador (Marcos 4:1-20).

O fato é que a mesma Palavra é pregada a um grupo diversificado e cada pessoa a recebe de uma forma: uns com indiferença, outros com certo entusiasmo inicial, mas que logo se perde. Mas há um grupo, um seleto grupo, no meio da multidão. Esses são aqueles que, segundo Marcos 4:20, “ouvem a palavra e a recebem, frutificando a trinta, a sessenta e a cem, por um”. O que Jesus estava dizendo?

Essa parábola foi pregada diante de uma “numerosa multidão”, mas Jesus estava ciente que nem todos ali frutificariam, nem todos ali receberiam as boas novas da mesma forma; essa era uma realidade a ser considerada pelo semeador – realidade esta que não deveria ser motivo de frustração, pois, o Mestre deixa claro que a razão disso não está na qualidade da semente, mas no solo e nas circunstâncias em redor.

Pode ser frustrante para o semeador lançar, vez após vez, sementes e mais sementes e onde ele esperava brotar, não ver nenhum sinal de vida, ou ainda se animar com alguns vestígios que logo desaparecem.

Contudo, a alegria do semeador não deve consistir na quantidade, mas na qualidade, pois uma única semente plantada em solo fértil (um solo regado pelas águas do Espírito) produz uma colheita tão proveitosa que faz valer todo o trabalho árduo. Aquela única semente é como aquele um filho que compreende e se arrepende. Ele se torna motivo de júbilo e festividade (Lc 15:11-32).

Portanto, por difícil que seja, o semeador, não deve se iludir com o número e nem se frustrar com a pouca quantidade. O próprio Senhor não se deixou deslumbrar pelas numerosas multidões que o ouviam, pois, na matemática do Reino mais importa ‘um’ que frutifica a trinta, sessenta e cem do que milhares que não produzem fruto nenhum.

Naqueles que são filhos de Deus o fruto pode demorar a surgir mas quando vem é aquele fruto eterno, é aquele fruto genuíno que permanece. Aquela pequena semente de 10 anos atrás se torna uma árvore de raízes profundas plantada junto a ribeiros, dando fruto a seu tempo. Sim, crentes maduros levam tempo, mas eles são eternos. É preciso paciência até que eles venham.

As teologias vigentes podem exigir produção de crentes através de métodos artificiais, mas, o Grande Semeador ainda usa o método antigo “um a um”, ele cuida de cada semente, uma a uma e persevera em Sua espera paciente.

Soli Deo Gloria.

No Amor de Cristo,

Prisca Lessa

Devocional, pra que te quero?

nn-1740x909

P.S: Pessoal, me perdoem, houve um erro de edição no blog, por alguma razão ele duplicou alguns trechos  e incluiu compartilhamentos do Facebook. Só me dei conta agora, graças a algumas observações que me foram passadas. Já foi corrigido, mas caso algo passe despercebido aos meus olhos, sintam-se livres para comentar. Obrigada ❤ 

      Quero falar um pouco sobre DEVOCIONAL, essa prática fundamental para a boa saúde espiritual de todo cristão, mas estranha para muitos. É triste constatar que boa parte dos cristãos não têm uma vida devocional consistente. Muitos não sabem o que é um devocional, outros até sabem, mas não sabem por onde começar. Talvez você faça parte desse grupo, se for o caso, esse post é pra você. Meu intuito é explicar e incentiva-la a cultivar a disciplina devocional e estou certa de que esse cultivo (diário) lhe trará progresso espiritual consistente. Dito isso, vamos partir do início.

  • O que é o DEVOCIONAL?

      Devocional é o momento que separamos no dia para nos dedicarmos a algumas disciplinas espirituais como a oração, a leitura da Palavra e a meditação. Ele também pode incluir um período de cânticos espirituais.

  • Quando se deve fazer o Devocional?

O devocional é uma prática diária. Por experiência, eu sempre aconselho que ele seja realizado no primeiro período do dia, pela manhã. Antes mesmo de sair do quarto para outras atividades. Por quê? Porque, uma vez que você sai do quarto, as tarefas do dia já começam a lhe chamar e é muito mais difícil retomar à solitude do quarto e se concentrar para orar, ler a Bíblia e meditar. Por isso, eu gosto de falar com Deus antes de falar com qualquer outra pessoa (isso inclui conversas virtuais).

      Há pessoas que acordam muito cedo e não têm tempo de fazer devocional antes de sair de casa, algumas delas conseguem fazer à noite. Pessoalmente (isso não é uma regra) eu tenho dificuldade com devocionais noturnos. Primeiramente, porque a ideia de fazer o devocional pela manhã é começar o dia em comunhão com Deus. A Palavra que lemos pela manhã é aquela na qual meditaremos ao longo do dia, digerindo, ponderando, assimilando. Assim como é benéfico começar o dia com um bom e nutritivo café da manhã, é totalmente revigorante começar o dia bem nutrido espiritualmente. Em segundo lugar, a noite normalmente estamos mais cansados e sonolentos o que dificulta o nível de concentração. Se você chega em casa e ainda precisa fazer janta, cuidar da casa, estudar, provavelmente o devocional será a última atividade do seu dia e a probabilidade de você dormir orando é grande (já fiz isso diversas vezes). Em terceiro lugar, fazer o devocional logo de manhã é uma forma de priorizar aquilo que é de fato importante. É uma forma de mostrar (primeiramente a nós mesmas) que, apesar das urgências do dia, escolhemos a boa parte.

       Quando Jesus foi à casa de Lázaro, Marta estava entretida com seus muitos afazeres, ela havia priorizado as tarefas do dia (a fim de poder servir a Jesus), embora sua intenção fosse boa, Jesus lhe disse: “Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas; entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só, Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada” (Lucas 10.41,42). Não devemos deixar que as perturbações do dia a dia tirem de nós a melhor parte, a oportunidade de passarmos um tempo aos pés do Senhor conhecendo mais de sua Santa Palavra. Todas as outras coisas nos podem ser tiradas, exceto aquilo que cultivamos da presença de Deus.

      O devocional é a nossa porção diária, o maná que precisamos para viver cada dia. Nesse período temos a oportunidade de receber a orientação e o conselho de Deus para as nossas vidas. É como a orientação que a mãe dá a seu filho antes de despedi-lo para as atividades do dia. E em quarto lugar, ao iniciarmos o nosso dia com o período devocional, estamos declarando a nossa dependência de Deus, reconhecendo que sem Ele nada podemos fazer.

      A prática devocional traz muitos frutos, mas uma vida frutífera não vem sem sacrifícios. Se é preciso sacrificar um período do seu sono para ter esse tempo, faça-o. Paulo falando a Timóteo disse: “Exercita-te, pessoalmente na piedade. Pois o exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, pois tem promessa da vida que agora é e da que há de ser.” (I Tm 4.7,8) Se há algo que vale todo o nosso esforço é o exercício espiritual.

  • E se eu realmente não puder fazer devocional pela manhã?

      Como eu já disse, isso não é uma regra, mas um conselho pessoal. Estou ciente de que existem casos e casos. Cada um tem uma realidade e sua rotina [por exemplo, mães de filhos pequenos]. Quem dera todos pudessem fazer isso, mas, se você não pode, então, agende um horário para que possa fazer isso, seja na hora do almoço, ao chegar em casa ou antes de dormir. Mas é importante que você deixe um horário fixo para isso.

      O devocional deve ser INTENCIONAL, ou seja, deve ter hora e lugar marcados. Não espere sobrar um tempo para fazê-lo (nunca vai sobrar), ou sentir um toque especial no coração. Não romantize. Prepare esse tempo; desligue ou silencie o celular, escolha o local e o horário adequado para que não haja interrupção.

  • Quanto tempo devo dedicar ao período devocional?

      Isso pode variar. No meu caso, normalmente eu separo 1h, mas não tenho uma regra de “x” minutos para cada coisa, isso varia. Há dias em que eu levo muito tempo orando e há dias em que minhas orações são mais curtas… Mas, a leitura da Palavra nunca deve ser negligenciada. Com o hábito, a devocional se torna cada vez mais fácil e prazerosa e nem percebemos o tempo passar.

      Uma boa dica para aproveitar o tempo é anotar assuntos de oração, assim, você não precisará ficar divagando em busca do que orar. É importante pensarmos no que vamos orar e não simplesmente esperar que os motivos surjam, pois, às vezes, eles demoram a surgir – principalmente se você acabou de acordar. Além de anotar os seus motivos de oração, uma boa dica é ter em mente ou em mãos uma lista dos atributos de Deus para iniciar sua oração exaltando a glória de Deus – por vezes esses atributos nos fogem da mente. Sei que pode parecer estranho a princípio e até meio mecânico, mas é melhor do que ficarmos inventando o que falar a Deus.

      Medite sobre os atributos de Deus. Não é horrível quando alguém tem que falar coisas boas a seu respeito e ela simplesmente não sabe o que dizer? Isso demonstra duas coisas, ou ela não reconhece tais qualidades em você ou ela não te conhece. Qualquer um dos casos seria ofensivo para nós e não é diferente com Deus.

      Se lhe faltarem palavras para orar, existe um recurso infalível: as Escrituras! Oras as Escrituras é uma das experiências espirituais mais lindas que podemos experimentar. Orar os Salmos, em especial, é muito enriquecedor – enriquece a mente, o coração e o nosso vocabulário. Com o tempo, nossa boca se enche de elogios a Deus. Isso é maravilhoso. Por isso, crie o hábito de orar as Escrituras também.

      Também é muito útil anotar os pedidos de oração por data e lembrar-se de anotar quando tiver recebido uma resposta de Deus a eles.

  • Como devo ler a Bíblia?

      Essa pode parecer uma pergunta boba, mas ela é FUNDAMENTAL. Eu aprendi o que era devocional na adolescência, mas confesso que minha vida devocional só cresceu de forma consistente nos últimos cinco anos. Um dos pontos chaves para isso foi a mudança na minha forma de ler a Bíblia. Por muitos anos, eu fazia exatamente assim: Eu orava pedindo a Deus que me iluminasse e depois abria a Bíblia aleatoriamente e o primeiro versículo (interessante) que eu batia o olho era o versículo do dia para a minha meditação. Resultado: meu conhecimento bíblico sempre foi muito frágil e superficial. Além disso, havia dias que eu não encontrava de primeira “o texto inspirado do dia” e eu ficava muito frustrada com Deus e entendia que Deus não queria falar comigo naquele dia (olha o absurdo)! Felizmente, Deus não me deixou na ignorância e aprendi que a melhor forma de ler a Bíblia é a mesma forma que lemos um livro: a partir do início. Ninguém pega um livro para ler e abre na metade e começa a ler a partir dali – sem nenhuma conexão com o que vem antes e depois, isso não faria o menor sentido! A Bíblia é um livro, ela possui uma lógica, uma coerência, uma sequência com começo meio e fim. Sem essa perspectiva maior, nossa leitura sempre será frágil.

      Portanto, não leia a Bíblia de forma desconexa. Escolha um livro específico no qual irá meditar durante um período e então, leia-o do início ao fim. Leia em sequência, isso disciplinará a sua mente, pois, normalmente, a nossa tendência é ler somente aqueles versículos “gostosos”, mas é vital que aprendamos a explorar eficientemente a Palavra de Deus para o nosso próprio benefício.
“Uma pessoa que lê a Bíblia de modo casual, uma página aqui e outra ali, não é, em nenhum sentido, um estudioso dela” (Howard F. Vos)

      Esse ano minha leitura devocional começou no livro de Jó e agora iniciei o Novo Testamento. Meu propósito é meditar nos quatro Evangelhos e depois nas epístolas. É importante ressaltar que a leitura devocional é diferente daquela leitura anual que fazemos da Bíblia. Qual a diferença? A diferença é que a leitura devocional é meditativa, ou seja, você se atém às partes menores para poder se aprofundar – pessoalmente, eu acho que até mesmo a leitura anual não deve ser uma mera leitura corrida, mas uma leitura pausada, com anotações para que possamos assimilar o máximo do conteúdo.

      Leia o texto mais de uma vez, não vá com muita sede ao pote, leia trechos pequenos por vez para poder digerir. Você pode passar uma semana meditando em um único versículo e a cada dia o Senhor me trará novas coisas sobre o mesmo texto.

  • Por que não usar devocionais prontos?

      Devocionais prontos têm sua utilidade, mas eu diria que são como aquela barrinha de cereal que você come rapidinho de manhã ou põe na bolsa pra comer quando está com muita pressa e não tem tempo de tomar café da manhã. Ou seja, eles podem ser usados em certos casos, mas não devemos nos habituar a eles. A razão disso é que, assim como uma barrinha de cereal, eles servem para o momento, mas não fornecem nutrição a longo prazo. Esses devocionais tendem a nos tornar espiritualmente preguiçosos porque não temos o trabalho de cavoucar o texto, questioná-lo e queimar alguns neurônios – sim, porque embora seja um exercício espiritual, ler a Bíblia envolve esforço mental.

      Além de trazer versículos aleatórios limitando a nossa compreensão do todo, a maioria das pessoas que se habituam a usá-los acabam nem lendo os versículos na própria Bíblia. Outro ponto é que o Devocional sempre será a compreensão daquele autor que meditou no texto bíblico, ou seja, são as impressões dele sobre o texto. Isso tem o seu valor, mas Deus deseja falar diretamente conosco usando nossa mente e entendimento. Parafraseando Howard F. Vos, não se prive da bênção de descobrir, por si mesma, verdades eternas[1].

Dispense a preguiça.

      Somos facilmente tentados a usar recursos que facilitam a nossa compreensão como, por exemplo, os comentários contidos nas Bíblias de estudo; e acabamos nos tornando preguiçosos. Mal lemos o texto e já vamos direto nos comentários para ver o que o comentarias tem a dizer. Você sabe como o comentarista chegou e tais conclusões? (Fazendo aquilo que nós, muitas vezes, temos preguiça de fazer) Meditando! Não existe outro caminho.

“A repetição de verdades bíblicas profundas, descobertas por um Spurgeon ou um Moody ou um Morgan, tornou-se uma prática aceita. Muitas pessoas querem ter a habilidade de proferir belos pensamentos semelhantes aos desses grandes homens do passado, mas não conseguem discernir as bênçãos mais ricas de Deus porque não estão dispostas a pagar o preço para descobri-las. Outras podem ter a ambição e perseverança, mas não sabem como encontrar, por si mesmas, as riquezas da Palavra de Deus. As coisas mais profundas da Palavra não estão reservadas para algumas pessoas especiais, mas estão disponíveis a todos os que as procuram. No entanto, o fato de que todos podem investigar minuciosamente as profundezas da verdade espiritual, não significa que eles possam fazer isso sem esforço. Procurar atalhos é uma das grandes maldições do momento; não existe nenhum atalho para o conhecimento verdadeiro da Palavra. A Filosofia do ‘Aprenda Espanhol em Vinte Lições Fáceis’ não funciona com Deus. A única maneira de obter sucesso nesse campo é por meio do trabalho árduo e de uma dependência no ministério de ensino do Espírito Santo.” (Howard F. Vos)

      O texto pode parecer difícil à primeira vista, mas leia diversas vezes. Há textos que preciso ler três, quatro, cinco, quantas vezes forem necessárias, até que eu entenda (e quando realmente não entendo uso o auxílio de um comentário bíblico). Ou seja, o comentário deve ser o último recurso. Acima de tudo você use a própria Escritura. O contato direto com a Palavra de Deus nos fornece todos os nutrientes que precisamos para uma boa saúde espiritual. Não dispense isso.

      A Bíblia explica a si mesma. Muitas vezes a resposta a questionamentos que surgem durante a leitura de determinada passagem se encontra em um outro texto bíblico, por isso, é importante ter uma visão ampla da Bíblia e também conhecer os temas centrais que ela aborda. Pode parecer difícil, mas meu objetivo é te incentivar e não desanimar. Garanto que à medida que você lê tudo isso vai se tornando claro.

Continua…

[1] Em seu livro Métodos de Estudo Bíblico, editora Cultura Cristã.

Conhecer e prosseguir em conhecer também vale para o casamento.

tim keller

Quando um casal inicia um relacionamento, há tantas coisas em comum e tantos assuntos a ser conversados que, às vezes, o tempo parece inimigo. O tempo se torna pouco diante de tantos assuntos. Ainda que houvesse um dia todo livre, ele não seria suficiente para satisfazer o desejo de conhecer e ser conhecido pelo outro. As despedidas no portão, na rodoviária ou no aeroporto são sempre dolorosas e o final das ligações traz consigo um misto de alegria e saudade.

Até que um dia os dois, finalmente, se casam e não há mais despedidas dolorosas. Finalmente eles têm tempo para conhecer um ao outro. Porém, mais uma vez o tempo parece um inimigo, pois, a rotina acaba consumindo boa parte do tempo e sem perceber eles deixam de lado a deliciosa experiência de prosseguir conhecendo (intencionalmente) um ao outro; partilhando sonhos, desejos, projetos, medos e angústias. Aqueles interesses, que outrora uniram e fascinaram, continuam a existir, no entanto, vão sendo deixados de lado e substituídos pelas coisas urgentes da vida diária, tal como, o vencimento da próxima fatura do cartão.

As coisas corriqueiras passam a ocupar mais tempo e aqueles momentos de caminhadas e conversas intermináveis se tornam cada vez menos frequentes. Com o passar do tempo, o interesse parece diminuir. Não por falta de amor, mas por falta de investimento, dedicação e criatividade no relacionamento – como programar coisas juntos, separar tardes para tomarem um café e falar da vida, da música, arte, filmes; assuntos que encantavam durante o período em que se cortejavam.

É maravilhoso quando descobrimos o outro – de fato, é o interesse nessa descoberta que aproxima duas pessoas inicialmente -, a vontade de conversar e de ouvir o outro só aumenta, porém, não deve se restringir a esse período inicial, ela deve ser cultivada ainda mais no matrimônio. Meu irmão sempre usava um termo interessante quando ia conversar ao telefone com a namorada ou visitá-la. Ele dizia: “preciso ir cultivar o jardim”.

Pois, é necessário continuar cultivando o jardim depois de casados. Não há como esperar belas flores nem bons frutos sem água, carinho, sol, tempo, dedicação e boas ferramentas. Que haja um esforço contínuo em estreitar os laços, em seguir conhecendo ao outro. O amor é fruto do conhecimento. Durante o cortejo e o noivado conheça o outro tão bem quanto isso for possível e prossiga nessa mesma dedicação após o “sim”.

Outro ponto importante, que vale ressaltar é que se você é uma mulher casada (isso também vale para os homens) seu esforço deve ser em conhecer e descobrir coisas em comum com o SEU cônjuge e não com outros homens. Podem existir outros homens divertidos e interessantes por aí, mas a partir do momento em que você se casa, nenhum deles deve ser mais interessante do que o seu marido, nenhuma conversa deve ser mais atrativa e capturar mais os seus pensamentos do que aquelas que você tem com o homem que escolheu para o resto da vida. E se, as conversas entre vocês não têm sido tão interessantes, invista tempo, planeje assuntos e dialogue sobre tudo, mesmo que sejam apenas tolices da vida que, no fim das contas, renderão bons momentos e boas risadas. Conheça e prossiga em conhecer (intencionalmente) o seu cônjuge.

Como disse Edith Schaeffer:

“O amor crescerá à medida que as razões para o amor forem sendo descobertas, analisadas cogitadas, expressas verbalmente e lembradas. Com o passar do tempo, as recordações ficarão mais ricas, vívidas e calorosas”.

P.S. Escrever sobre casamento sendo solteira é sempre um GRANDE desafio. Sinto que não estou devidamente qualificada para tanto, porém, tenho aprendido que a sabedoria proveniente da Palavra de Deus nos capacita a falar, não com base na experiência, mas no conhecimento bíblico. Essa certeza é o que me permite colocar meus pés, ainda que de modo tímido e desajeitado, nesse mar sobre o qual ainda ainda não naveguei. Oro a Deus para que essas palavras sejam úteis não só para casados, mas também no preparo de solteiros incluindo eu mesma. Que o Senhor nos ajude.

Nele, por Ele e para Ele,

Prisca Lessa

Contentamento.

Se há uma palavra que pode definir esse casal, tal palavra é “CONTENTAMENTO”.

Há contentamento nas mínimas coisas. Minha cunhada é a noiva mais desapegada que eu já vi. Para ela tudo está bom, ela não entra em crise, não bate o pé… Ela celebra o recebimento de uma xícara com a mesma alegria que uma geladeira, não despreza nada nem ninguém.

Fui com ela à loja onde foi feito o vestido de noiva e fiquei pasma com a serenidade: “Gente, é só um vestido, calma que vai dar tudo certo”, era ela é quem tranquilizava as funcionárias da loja. O amor e respeito que ela demonstrou com as funcionárias fez com que elas se empenhassem ainda mais e fizessem até além das expectativas.

Com os dois olhos inchados, às vésperas do casamento, ela se ri até das “desgraças”: “Qualquer coisa uso uma franja emo”.

Na escolha do local pra viagem dos noivos: “Pri, o importante é sairmos, pode ser até em Lácio” (quem mora em Marília e região sabe que Lácio não é destino pra ninguém 😅😋)” mas, pela graça  de Deus eles não vão pra lá rs.

Meu irmão disse: “Pri, glorificar a Cristo no casamento não é ter um momento na cerimônia para declarar quem Ele é. Glorificar a Cristo é honra-lo nas pequenas coisas, ser grato, ser ponderado, não entrar em dívidas só pra ter ‘O CASAMENTO’, mas é fazer tudo discernindo a vontade de Deus”.

E, de fato, ao buscar o reino de Deus em primeiro lugar, as demais coisas são acrescentadas nos mínimos detalhes. O Senhor tem acrescentado, tudo o que eles não bateram o pé pra receber. Tudo o que eles abriram mão para não gastar além dos seus recursos, eles receberam como dádiva.

“DÁDIVA” é o que temos visto diariamente, minuto a minuto. Como disse meu irmão, tudo foi feito contando as moedas, mas, pela graça de Deus, as “moedas” não param de surgir! Sim, Deus é um Deus de Providência, Ele multiplica farinhas, azeites, pães e outros recursos para suprir o seu povo. Ele não desampara aqueles que voltam os seus olhos para Ele. Não há dúvidas disso!

Vivenciar esse momento é um aprendizado e tanto! De fato, o CONTENTAMENTO é uma bênção que o Senhor concede para aqueles que nEle descansam. Tenho aprendido muito nestes dias.  Que o Senhor os abençoe.

Soli Deo Gloria.

No Amor de Cristo.

Prisca Lessa.